segunda-feira, 9 de junho de 2014

Sexto desafio: escrever um texto, poema ou música.

A sexta tarefa se resume em fazer um texto, poema ou musica. Então vamos lá!

Eu tenho vinte e dois anos, mas acredite, as vezes eu refaço as contas pra saber se são vinte e dois mesmo.
Sei que o que vou dizer aqui soa piegas, mas cara, passa muito rápido. Nossa, passa rápido pra caralho mesmo. Eu tinha dezessete anos ontem. É, foi ontem mesmo que eu vislumbrava meus dezoito anos, minha maioridade, minha independência. Hahahah.
Lembro com saudosismo e vivo dizendo pra mim mesmo que se eu pudesse voltar atrás esses cinco anos eu não teria esperado minha maioridade com tanta vontade. Não pense, caro leitor, que minha vida se tornou uma perfeita porcaria, e por isso eu teria levado mais tempo para chegar até aqui. Não! Não é isso. O fato é que eu teria vivido com mais plenitude alguns momentos ao invés de ficar pensando tanto nos dias futuros.
Mas a verdade dos fatos é que o tempo não volta, e eu também nem quero isso. Gosto da pessoa que me tornei. Repito: EU GOSTO DA PESSOA QUE ME TORNEI!
 Confesso: preciso de diversos ajustes aqui e ali e trocar um pedaço aculá. Mas no resumo da ópera, eu aprecio a mim mesmo. Sei que soou narcisista, mas também foi sincero.
Ontem tive um dia bem estressante. Fui protagonista de uma verdadeira epopeia paulistana na luta para chegar ao trabalho. Tentei ônibus, mas estavam lotados e não paravam nos pontos.  Tentei táxi mas não existiam em quantidade suficiente. Tentei metrô, mas você já sabe né!
Enfim, sai de casa ao meio dia e fui chegar no trabalho lá pelas cinco horas da tarde. Mas foi na volta pra casa, lá pelas onze da noite quando eu perdi meu ônibus, que percebi que eu não poderia estragar meu dia por um caos, quase que corriqueiro. Digo isso porque naquela altura da noite eu estava uma pilha de nervos e stress. Já estava com a cabeça repleta dos mais negativos pensamentos. Reclamava do trabalho, da faculdade, do governo, do motorista, do ferroviário, do mundo todo. Mas, foi ai que a consciência, sábia, atenta e ouvinte decidiu falar.
E ela disse:
Arlan, vamos lá! Você não vai jogar pro o alto uma semana inteira de bons pensamentos e boas ações só porque o metro está de greve, vai? Tudo bem, eu entendo! Sei que não é só isso., mas vamos lá,. Do que adianta reclamar? Praguejar? Ficar stressado? Avante jovem homem! Vamos lá! Amanhã é outro dia. 
Caro leitor, eu estava tão desgastado que meus pensamento já estavam em um possível trancamento da faculdade e em pedir demissão do trabalho. Quanto drama! Menos Arlan! Bem menos. Por favor.
 Pessoas morrem de fome e de Aids, eu só estava tendo "UM"dia ruim.
Percebi ali como posso ser mesquinho algumas vezes, e em como deixei a fé se ausentar quando eu mais precisava dela.
Essa semana eu li um texto que falava sobre manter o foco. O texto dizia sobre a dedicação e o tempo que devemos dispensar sobre as coisas que queremos. Não era nenhuma verdade já não dita, mesmo assim o texto chamou minha atenção, e me fez ver o quanto insistimos em não praticar a formula para o sucesso.
O sucesso vem do esforço, da dedicação. O sucesso vem do não se deixar abater, não desistir. Se manter firme, não importa o que aconteça E se cairmos, porque nós vamos cair! Nós temos que cair! Então o próximo passo será levantar outra vez. Voilà, a vida continua e o sonho também.
Porem a verdade dos fatos mais uma vez é que é mais fácil e comodo ficar ali mesmo, no chão. Ali onde já não se há mais o que perder ou arriscar, o lugar onde não existem frustrações.
Aqui cabe uma nota: Não entenda sucesso como ser rico, famoso e bem sucedido. A palavra aqui empregada não faz jus a esta definição. O sucesso ao que me refiro é sobre aquele de se olhar no espelho ou ao ver sua face refletida na água de um rio e sorrir. Sorrir de contentamento por ser uma pessoa boa. Por buscar em cada atitude, em cada palavra e em cada novo passo uma maneira de ser alguém melhor que ontem, de ser bonito não por ter os cabelos penteados ou a barba feita. Falo aqui do sucesso e da beleza de sermos seres humanos, conectados uns com os outros. Seres humanos que sentem, que amam e que podem sim fazer alguma coisa a respeito das vidas que levam. SOMOS OS SENHORES DE NÓS MESMOS. Existe sim um Deus, e eu acredito nele! E acredito também que Deus não vai fazer nada por nossas vidas se não o ajudarmos, se não dermos o primeiro passo.
Eu não sou palestrante de alto ajuda, me desculpem. Essas palavras são antes de mais nada para mim mesmo. São os sermões gritados diariamente pela minha consciência incansável e que nunca desiste e nem se cansa de mim. A mesma consciência que no momentos de tristeza e cansaço me diz baixinho: - estamos aonde nos colocamos e continuar aqui ou sair daqui só depende de nós.

Fazer o bem não é difícil, mas é um exercício constante, diário e que deve ser posto em pratica o quanto antes. 
Ser sincero é indispensável, principalmente com as pessoas que amamos e com as que nos amam também. Lembro quando me disseram para ser eu mesmo, para ser verdadeiro, sem máscaras ou vida inventada. 
Não poderiam está mais certos.
Eu tenho vinte e dois anos, sou estudante de economia, blogueiro, aprendiz de patinador, aspirante tocador de violino e sedento por voltar a fazer teatro. Eu tenho muitos sonhos, muitos, um milhão talvez.
Deixo aqui os meus mantras e minha alegria em descobri-los. 
O auto conhecimento é uma descoberta fantástica e um passo irremediável.

Carinhosamente;

Arlan Souza,

um ser humano.


(eu, sendo narcisista-arquivo pessaol)


1 comentários:

  1. Parabéns Camaleão pela sua iniciativa de se desafiar,
    Adoro desafios e sempre vem com recompensas kk
    Pois é, esse meu namorado inspiração das minhas ultimas historias nesses anos veio de um desafio de desenhos do Facebook (que esta postado aqui lá no meu blog) de alguns anos atras ..
    Pela listagem ali logo vi que só tem coisas boas a te acrescentar !

    Boa sorte e Paciência para os próximos dias de desafio ;)

    ResponderExcluir


Este é um espaço aberto ao debate saudável e a critica construtiva.
Fique à vontade para expor suas opiniões nos comentários ou nos contatar via email. (arlan_souza1.0@hotmail.com)

 
Camaleão sentimentalista © Todos os direitos reservados :: voltar ao topo