segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Identidade


       imagem: Google


Eu falhei comigo? Eu estou falhando?
Acho tão fácil agradar os outros, mas quando assunto é comigo mesmo ai as coisas se complicam.
É difícil entender quem somos e o que queremos.
Eu quase sempre tento medir os impactos que posso causar aos outros, entre dores e alegrias. Mas quando é comigo mesmo tenho sempre a confiança eterna de que não importa o que for, eu aguento, eu suporto!
Aceito a minha dor, afinal ela é minha responsabilidade. O estranho é que a respeito da minha, eu pouco faço alguma coisa. Eu suporto, até que ela canse e vá deitar mesmo sabendo que a qualquer hora ela vai acordar e  outra vez terei de suporta-la, ouvi-la e tolera-la.


Eu tô querendo falar de identidade sabe? de sermos quem somos?
As vezes ser outro cansa, principalmente quando vemos tanta beleza em sermos nós mesmos.
A máscara ta pesada, a identidade secreta ta cansando, e o pior  é que eu nem sou super herói, não tenho super poderes e nem varinha de condão.
Eu não tenho esconderijo secreto, então pra onde posso correr quando as coisas apertarem por aqui no lado esquerdo de min, perto do peito, sabe?
Hein, me diz?



6 comentários:

  1. A vida nunca foi fácil pra ninguém...inclusive pra mim
    Por diversas vezes tentei me esconder, dizer que não, arranjei desculpas pra me afastar, tentei me esquivar ...mas as marcas do que passou e o presente não me deixam mentir.
    Eu tento ser forte mas.. nunca fui, não sou e nunca vou ser uma destas heroínas de histórias, mas tenho a certeza de que quando essa dor me aperta lá no fundo como está apertando agora é sinal que o que eu sinto só faz fortalecer a semente que foi plantada e regada dentro de mim.
    O meu esconderijo secreto são os meus pensamentos, a varinha de condão é a minha perseverança e os meus superpoderes é o que nem todo mundo pode oferecer preocupação e amor incondicional...
    E quero que saiba que se essa dor se deita e a qualquer momento se levanta pra te fazer sofrer é porque a causa ou quem a causou não merecem ter uma pessoa tão especial como você!

    Sem mais..beijo

    ResponderExcluir
  2. Ás vezes a gente não aguenta, sabe? Porque aguentar dói, suportar dói. Mas acho que nada dói mais do que ser forte. Ser forte quando só queremos desistir, ser forte quando estamos cansados. E quem sabe não seja essa nossa essência? Talvez não sejamos o tipo de super herói que se esconda, mas o que enfrenta, independente de qualquer coisa; e, quem sabe, não sejamos aquele tipo de pessoa que deixa a máscara cair por ser pesada, mas que tira calmamente por, simplesmente, ter força para tirá-la.
    Mas enfim, a questão da identidade é um dos temas mais belos para mim. Tanto seus paradoxos, quanto as conclusões.
    E isso tudo só me lembra o quanto é bom passar por aqui!

    ResponderExcluir
  3. Sejamos sempre um novo experimento do 'não-eu'.

    ResponderExcluir
  4. Sejamos sempre um novo experimento do 'não-eu'.

    ResponderExcluir
  5. Seu texto me fez lembrar de como é cansativo prender nossos demônios todos os dias, com medo que eles aterrorizem e assombrem os outros, mas infelizmente a maioria não tem esse cuidado. Então um dia você para e pensa "Por quê segurá-los tanto". Mas insisto e crio dentro de mim um inferno cheio deles, quando eles só querem me fazer ser o que realmente sou.

    ResponderExcluir
  6. Prendemos nossos demônios dentro de nós a tal ponto que criamos um inferno mental e chegamos a um ponto que mesmo exaustos, continuamos a prende-los quando acredito que o caminho do paraíso seria soltar esses demônios.

    ResponderExcluir


Este é um espaço aberto ao debate saudável e a critica construtiva.
Fique à vontade para expor suas opiniões nos comentários ou nos contatar via email. (arlan_souza1.0@hotmail.com)

 
Camaleão sentimentalista © Todos os direitos reservados :: voltar ao topo