segunda-feira, 3 de outubro de 2011

O senhor Cartola Azul - parte 1.



Magrelo e saltitante, ele era assim, todo felicidade. Seu corpo igualava-se à uma prancha, reta e seca. Cabelos negros e lábios desenhados minuciosamente. Olhos ovais e grandes, orelhas proporcionais ao corpo.
O senhor Cartola Azul era chamado assim por certa ocasião na qual adquiriu incomum cartola de cor azul. Neste mesmo dia ele comprou um par botas marrom, tamanho quarenta e dois. Chegada à hora do sol ir embora o senhor Cartola Azul vestia sua calça xadrez e punha sobre os ombros um velho blazer desbotado. Após amarrar bem firme o cadarço das botas ele sai mundo afora com seu livro "sabe-se lá qual" e com seu semblante de suposições imaginárias. Andava de maneira incomum, a passos largos e com os braços ao vento, todo despreocupado. Era ímpar aquele homem que gostava de acordar as cinco da manhã de uma segunda-feira só para ver o orvalho.
O senhor Cartola Azul passava o tempo livre entre as estantes da biblioteca municipal e os cafés da rua Barão d'vila. Toda sexta, por volta das quatro e meia da tarde ele ia  ate a loja de discos e ocupava uma sala nos fundos, cedida gentilmente pelo senhor Bernardo, que o conhecia de longa data e tinha por ele grande apreço. Uma vez lá, aquele incomum senhor ouvia discos antigos e lia os mais belos livros, fossem eles romances, aventuras ou até mesmo filosofia. Fosse qual fosse o livro, o senhor Cartola Azul lhe dispensava a mais culta e inabalável atenção.
Havia naquele homem um tipo raro de felicidade, alguns descrentes diziam que tudo aquilo não passava de uma mascara feita sob medida para esconder sua desgraça.

(desenho - Arlan Souza)

5 comentários:

  1. bravoooo! me indentifico com ele pela elegancia de se dar o prazer de ir a um livraria ou um cafe, e sentar para ler um livro!

    ResponderExcluir
  2. Contos de pessoas peculiares são os melhores, ainda mais quando são bem escritos.
    Na expectativa para as próximas partes!

    ResponderExcluir
  3. Curti o inicio, e sendo assim voltarei para ver o desenrolar da história, meu vicio em adiantar fatos já me fez criar muitas hipoteses kkkk, e sobre felicidade as pessoas tendem a não acreditar em felicidade ainda mais simples e verdadeira. rs sucesso...

    ResponderExcluir
  4. "Havia naquele homem um tipo raro de felicidade, alguns descrentes diziam que tudo aquilo não passava de uma mascara feita sob medida para esconder sua desgraça."

    Parece comigo, mas beeem ao contrário. xD

    ResponderExcluir
  5. Ando fascinado pela cor azul.

    Eu adoraria ter uma cartola azul pra sair por aí (sem metáforas, rs).

    Tira um coelho vermelho ou cor-de-rosa da cartola, mano.

    ResponderExcluir


Este é um espaço aberto ao debate saudável e a critica construtiva.
Fique à vontade para expor suas opiniões nos comentários ou nos contatar via email. (arlan_souza1.0@hotmail.com)

 
Camaleão sentimentalista © Todos os direitos reservados :: voltar ao topo