segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Ao redor da fogueira.


Façamos uma fogueira. Estou tirando meus sapatos, meu casaco e meus óculos escuro.
Coloquem mais lenha,  joguen arrogância, medo e luxo.
Vamos correr ao redor da fogueira sob a luz das estrelas e quem trouxe violão, por favor, toca legião.
Alguém trouxe vinho? vamos beber, encher a cara e rir de tudo isso.
Hei, João,vem pra cá moleque, vem dançar com a gente.
Peguem os tambores, os panos e chamem os tocadores.
Fogo gente, muita gente. Vamos dançar.
Hoje eu quero sonhar, quero subir e descer, não quero ti ver.
Agora eu vou gritar. Cansei de chorar.
Ouça comigo e deixe-me sentir, eu vou dizer o que quero.
Vou entregar meu carrasco, vou abandonar minha culpa.
Joguem tudo no fogo e vejam eu fazer sorrisos com todo esse lixo.
Hoje eu não quero beijo nem abraço, só quero o cansaço de tudo o que agora faço.
Quero me esgotar de ser quem desejo, quero o estopim de mim.
Vamos pular e rolar, invocar Deus, Emanja, Buda e Alá.
Deixe eu ser quem eu sou. Mato o medo, enterro minha dor.
Ó meu senhor se achegue,venha, venha nu, mas venha. Venha logo.
Olha o fogo, olha o povo. Olha lá minha gente, meu sangue, toda minha fé.
Bebo vinho, cidra, cerveja e champagne, mas gosto mesmo é de água pura e natural.
Estou louco meu bem, vou tirar minha roupa e me atirar ao mar. Quero me afogar mesmo sem garantias de voltar a respirar.
Quero me arriscar, mesmo sem chance alguma de dar certo. Vou pular mesmo sabendo que você
não vai me segurar.
Eu vou cantar bem alto, vou fingir que sei voar.
To chorando lágrimas de felicidade. Eita que isso é tão bom.
Vou deitar e rolar na areia, vou sumir, derramar tudo que resta, quero me esgotar.
Vou chegar ao cume.
Hora dessas talvez eu caia, então que seja de exaustão por ter feito tudo que desejo, sem medo.
Hoje eu fui eu sem você, sem amarras, sem dor, sem cobrança e sem  nenhuma ausência.
Fui completo.
 Quero ser louco sem a culpa de fazer sofrer ou ao menos incomodar ninguém.
Esqueçam de mim.
Joguei forra a sobrevivência e escrevo em letras grandes que quero é VIVER.

(desenho: Arlan Souza)

9 comentários:

  1. Yeah!
    hoje eu quero me esbaldar!!!

    beber e dançar, peidar e arrotar..gritar bem alto que sou um doido feliz a bailar!!!!

    belo texto amigo!!!

    vou te seguir!!!

    www.wwfmorales.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Belo texto. Como um desabafo... Livrar-se do indesejável e ceder ao espaço às novidades. Gostei!

    ResponderExcluir
  3. Imagino que seja algum um tanto quanto difícil, mas depois de feito, libertador.

    ResponderExcluir
  4. Rapaz, viajei no texto; no bom sentido, claro. Foi como se eu me libertasse de qualquer sentimento ruim. Foi como joga-los nessa fogueira e me sentir livre, VIVER, como vc mesmo diz que quer. Parabéns! Show de bola! =D

    ResponderExcluir
  5. Que explosão de sentimentos e percepções e mil coisas.... gostei!!!

    É bom vir aqui, tanto quanto ler seus comentários.

    Abraços!!

    F.

    ResponderExcluir
  6. Viva cada dia como se fosse o último!!!!
    gostei do texto parabéns de certa forma é um texto librtador de tudo aquilo que nos prende

    ResponderExcluir
  7. Caro Mohamed

    Percebi que o senhor cessou com os post em seu blog. Está na hora de atualizar!
    Informo o senhor que usurparam o meu blog e já não tenho mais acesso a ele.
    Já estou fazendo outro, quando estiver pronto te mando o link para debatermos idéias.

    Atenciosamente

    Mauricio Pizani

    ResponderExcluir
  8. Você é uma pessoa interessante adoro seus textos.

    ResponderExcluir


Este é um espaço aberto ao debate saudável e a critica construtiva.
Fique à vontade para expor suas opiniões nos comentários ou nos contatar via email. (arlan_souza1.0@hotmail.com)

 
Camaleão sentimentalista © Todos os direitos reservados :: voltar ao topo